SIGA O JUSCELINO NAS REDES  
  
  
  
  
Home > Cultura > Clássicos do horror! Mostra do Estúdio Hammer leva filmões ao CCBB SP

Clássicos do horror! Mostra do Estúdio Hammer leva filmões ao CCBB SP

Criaturas grotescas, assustadoras e sensuais vão invadir a telona do CCBB São Paulo na mostra “Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror”, que projeta 30 clássicos do terror dos anos 50, 60 e 70! E o melhor: os ingressos são grátis! Que presentão, hein, cinéfilo?

As Noivas de Drácula

Quem nunca viu os filmes do Estúdio Hammer já pode se preparar para assistir a cultuadas produções que inspiraram cineastas do calibre de Quentin Tarantino, Tim Burton, Steven Spielberg e Martin Scorsese. Não precisa nem falar que esses filmes revolucionaram o cinema e ajudaram a povoar o imaginário dos cinéfilos de plantão!

Para assistir aos filmes da mostra “Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror”, basta reservar seu ingresso aqui. Além das sessões presenciais, outras atividades acontecem online, incluindo uma masterclass com o cineasta Rodrigo Aragão, um curso com o curador Eduardo Reginato e debates. Para obter mais informações sobre essa programação paralela, acesse aqui.

O que assistir?

Não deixe de assistir na mostra ao clássico “Vampiro da Noite” (1958), de Terence Fisher, o primeiro filme do Estúdio Hammer, estrelado por Peter Cushing e Christopher Lee, que se tornariam, alguns anos mais tarde, verdadeiros astros do cinema mundial!

Estúdio Hammer - cena de O Vampiro da Noite

Quando Dr. Van Helsing chega à cidade, descobre que Jonathan Harker foi mordido pelo nefasto Conde Drácula. O famoso estudioso de vampiros é forçado a enfiar uma estaca no coração do amigo e parte em busca da esposa dele, Lucy, que também está na mira desse ser das trevas.

A Múmia - Estúdio Hammer

Outro filmão de Terence Fisher que você não pode deixar de conferir é “A Múmia” (1959). Na trama, arqueólogos britânicos descobrem o túmulo de uma princesa egípcia morta há quatro mil anos. Acidentalmente, um deles faz voltar à vida o guardião da tumba, Kharis, que recebe a ajuda de um egípcio na missão para matar os profanadores da tumba.

Atração Mortal - Mostra Estudio Hammer

A terrível e sensual vampira Carmilla vai ganhar seu coração no clássico “Atração Mortal” (1970), de Roy Ward Baker. Quando a misteriosa condessa das trevas viaja ao exterior para visitar um amigo doente, o general Spielsdorf oferece sua hospitalidade. Ele não imaginava, porém, que ao receber a nobre dama estaria abrindo as portas para uma terrível vampira com sede de sangue.

Se o seu lance são os mortos-vivos, assista a “Epidemia de Zumbis” (1966), de John Gilling, sobre uma misteriosa praga que extermina os trabalhadores de um pequeno povoado. Quando Dr. Tompson e o professor Forbes se juntam para descobrir o que está acontecendo, acabam encontrando coisas inimagináveis.

Estúdio Hammer - Epidemia de Zumbis

E para quem ama histórias derivadas da criatura criada pela escritora britânica Mary Shelley, a dica é conferir “O Horror de Frankenstein” (1970), de Jimmy Sangster, que é apenas levemente inspirado na obra literária.

O Horror de Frankesntein

O jovem Victor Frankenstein retorna da Universidade de Medicina disposto a colocar em prática seu projeto mais ambicioso: criar uma nova vida a partir de pedaços de corpos de pessoas já mortas. A obsessão dele em dar vida a uma criatura perfeita leva-o a cometer um assassinato e sua criação resulta num monstro vingativo e insatisfeito com sua condição aterradora.

Um pouquinho sobre o Estúdio Hammer

Criado em 1934, o Estúdio Hammer surgiu como uma pequena produtora britânica, que ficou realmente famosa pelos filmes de horror. O primeiro título desse gênero feito pela empresa surgiu em meados dos anos 50, quando o público jovem começou a demandar que os cinemas exibissem histórias mais violentas, sensuais e aterrorizantes.

Aqui no Brasil, os filmes dos Estúdios Hammer eram exibidos na TV, de madrugada, nos anos de 1970 e 1980. Imagina quantas crianças e adolescentes da época não fingiam dormir para assistir a essas histórias horripilantes!

Confira abaixo a programação completa da mostra:

Quarta – 20/1
13h – “O Monstro do Himalaia” (1957), de Val Guest
15h15 – “O Homem que Enganou a Morte” (1958), de Terence Fisher
17h30 – “O Monstro de Duas Caras” (1960), de Terence Fisher

Quinta – 21/1
14h – “Epidemia de Zumbis” (1966), de John Gilling
16h15 – “A Múmia” (1958), de Terence Fisher
19h – Aula Magna Online – Rodrigo Aragão

Sexta – 22/1
13h – “A Serpente” (1966), de John Gilling
15h15 – “Drácula – O Perfil do Diabo” (1968), de Freddie Francis
17h30 – “Bruxa, a Face do Demônio” (1966), de Cyril Franke

Sábado – 23/1
13h – “Capitão Cronos – O Caçador de Vampiros” (1974), de Brian Clemens
15h15 – “A Múmia” (1958), de de Terence Fisher
17h30 – “O Cão dos Baskervilles” (1959), de Terence Fisher

Domingo – 24/1
13h – “A Lenda dos 7 Vampiros” (1974), de Roy Ward Baker e Cheh Chang
15h15 – “A Maldição da Múmia” (1964), de Michael Carreras
17h30 – “O Sangue de Drácula” (1970), de Peter Sasdy

Segunda – 25/1
13h – “Os Ritos Satânicos de Drácula” (1973), de Alan Gibson
15h15 – “O Sarcófago Maldito” (1967), de John Gilling
17h30 – “Drácula – O Perfil do Diabo” (1968), de Freddie Francis

Quarta – 27/1
14h – “O Conde Drácula” (1970), de Roy Ward Baker
16h15 – “O Cão dos Baskervilles” (1959), de Roy Ward Baker
19h – Curso Online – Aula 1 com Eduardo Reginato

Quinta – 28/1
14h – “Capitão Cronos – O Caçador de Vampiros” (1974), de de Brian Clemens
16h15 – “Epidemia de Zumbis” (1966), de John Gilling
19h – Debate 1 – Carlos Primati e Daniel Caetano

Sexta – 29/1
13h – “Drácula – O Príncipe das Trevas” (1966), de Terence Fisher
15h15 – “O Horror de Frankenstein” (1970), de Jimmy Sangster
17h30 – “O Conde Drácula” (1970), de Roy Ward Baker

Sábado – 30/1
13h – “Uma Filha para o Diabo” (1976), de Peter Sykes
15h15 – “As Filhas de Drácula” (1971), de John Hough

Domingo – 31/1
13h – “A Serpente” (1966), de John Gilling
15h15 – “O Médico e a Irmã Monstro” (1971), de Roy Ward Baker
17h30 – “Condessa Drácula” (1971), de Peter Sasdy

Segunda – 1/2
13h – “Sangue no Sarcófago da Múmia” (1971), de Seth Holt e Michael Carreras
15h15 – “Os Ritos Satânicos de Drácula” (1973), de Alan Gibson
17h30 – “As Noivas de Drácula” (1960), de Terence Fisher

Quarta – 3/2
13h – “A Lenda dos 7 Vampiros” (1974), de Roy Ward Baker e Cheh Chang
15h15 – “Vampiro da Noite” (1958), de Terence Fisher
17h30 – “Drácula no Mundo da Minissaia” (1972), de Alan Gibson
19h – Curso Online – Aula 2 com Eduardo Reginato

Quinta – 4/2
13h – “Drácula – O Príncipe das Trevas (1966), de Terence Fisher
15h15 – “A Górgona” (1964), de Terence Fisher
17h30 – “Vampiro da Noite” (1958), de Terence Fisher
19h – Debate 2 – Marco Dutra e Marcelo Miranda

Sexta – 5/2
13h – “O Beijo do Vampiro” (1963), de Don Sharp
15h15 – “O Horror de Frankenstein” (1970), de Jimmy Sangster
17h30 – “Frankenstein Tem que Ser Destruído” (1969), de Terence Fisher

Sábado – 6/2
13h – “Atração Mortal” (1970), de Roy Ward Baker
15h15 – “A Górgona” (1964), de Terence Fisher
17h30 – “Vampiro da Noite” (1958), de Terence Fisher

Domingo – 7/2
13h – “As Noivas de Drácula” (1960), de Terence Fisher
15h15 – “Frankenstein Tem Que Ser Destruído” (1969), de Terence Fisher
17h30 – “Condessa Drácula” (1971), de Peter Sasdy

Segunda – 8/2
13h – “O Beijo do Vampiro” (1963), de Don Sharp
15h15 – “Drácula no Mundo da Minissaia” (1972), de Alan Gibson
17h30 – “A Maldição da Múmia” (1964), de Michael Carreras

Garanta a sua segurança!

Assim como todos os espaços que reabriram durante a pandemia, o CCBB São Paulo segue vários protocolos para a visitação que precisam ser respeitados. O uso de máscara é obrigatório para todes, e, antes de entrar no espaço, você terá sua temperatura aferida. Além disso, o centro cultural disponibiliza álcool em gel em vários cantos do edifício e a sala de cinema tem capacidade bastante reduzida. Confira mais detalhes aqui.

Por Catraca Livre

Você pode gostar também de
Mostra grátis de Steve McQueen ocupa o cinema do CCBB SP
Festival Todo Canto é Palco reúne peças de grupos periféricos de SP
Clarice Lispector e Carolina Maria de Jesus ganham mostras em SP
Mostra no CCBB homenageia Mel Brooks, ícone da comédia nonsense

Deixe o seu comentário