SIGA O JUSCELINO NAS REDES  
  
  
  
  
Home > Cultura > Mostra homenageia os 120 anos de Luis Buñuel

Mostra homenageia os 120 anos de Luis Buñuel

A lâmina da navalha desce lentamente em direção a um olho, pronta para rasgá-lo. A cena não é fácil, nem digerível. Mas é icônica: naquele momento, O cão andaluz, de 1929, abria seu caminho como um dos filmes marcantes da história do cinema e paroxismo do surrealismo que fincava suas marcas em várias áreas da criação artística. E chamava a atenção para seu diretor, o espanhol Luis Buñuel (1900-1983) — que concebeu o roteiro daquele famoso cão em parceria com outro mestre surrealista, Salvador Dali.

Luis Buñuel, pioneiro no cinema surrealista – Foto via Flickr

A partir deste filme, fundamental para se compreender a poética existente na obra de Buñuel, o diretor espanhol pavimentou sua estética criativa e sua visão irrequieta — e,muitas vezes, niilista — do mundo. Depois de sua fase inicial francesa — onde rodou O cão andaluz –, Buñuel colocou o pé na estrada: morou nos Estados Unidos, no México, voltou à sua Espanha natal e terminou seus dias na França, sempre produzindo muito, e bem: sua obra final, o inquietante e belo Esse obscuro objeto do desejo, é de 1977, quando o diretor já era quase octogenário. 

Viridiana, considerado a obra-prima de Buñuel – Foto: Divulgação via flickr

Justamente para homenagear os 120 anos que Luis Buñuel completaria em 22 de fevereiro, o Petra Belas Artes programou uma mostra com oito dos mais importantes filmes do diretor espanhol. A mostra, que conta com os já citados Cão Andaluz e Esse obscuros objeto do desejo, apresenta ainda, entre outros, Viridiana — considerado por muitos críticos como sua obra-prima –, O anjo exterminador, O discreto charme da burguesia e A bela da tarde, este com uma Catherine Deneuve deslumbrante vivendo a mulher rica e casada que se prostitui à tarde em um bordel francês. Intrigante, o filme, de 1967, até hoje inspira discussões e debates entre cinéfilos. A mostra vai do dia 20 até o dia 26, na Sala Oscar Niemeyer do Petra Belas Artes, com sessões diárias sempre às 18h50.

Escândalo e Almodóvar

A obra de Luis Buñuel sempre foi cercada de um intenso teor autoral e de uma aura de escândalo — não à toa influenciou fortemente seu compatriota Pedro Almodóvar –, não escapando do olhar inquisidor da censura, principalmente em seu país natal, a Espanha, que à época das principais realizações do cineasta ainda vivia sob a ditadura de Francisco Franco. 

“Agradeço à censura franquista por ter proporcionado um final melhor a Viridiana”, afirmou certa vez o cineasta, referindo-se ao veto que o final do filme sofreu — com fortes conotações ácidas sobre religião –, o que obrigou Buñuel a refazer parte do filme. Para ele, ficou melhor do que a original. E o diretor reverenciou a censura franquista com uma ironia quase surrealista. Afinal, Viridiana acabaria por ganhar a Palma de Ouro em Cannes, em 1961.

Catherine Deneuve é uma mulher rica e casada que se prostitui num bordel parisiense em A Bela da Tarde – Foto: Reprodução via Cinusp

Maiores informações no site www.cinebelasartes.com.br

Por Jornal da USP

Você pode gostar também de
CCBB faz mostra online de cinema online e gratuita
CCBB: Mostra de cinema egípcio começa nesta quarta-feira
Mostra de fotos faz refletir sobre preservação do ambiente
Mostra de teatro de objetos reúne peças sobre universo feminino

Deixe o seu comentário