SIGA O JUSCELINO NAS REDES  
  
  
  
  
Home > Comida > 3 vinhos produzidos com o sistema solera

3 vinhos produzidos com o sistema solera

Embora uma solera seja geralmente representada como camadas de barris empilhadas umas sobre as outras, isso raramente é o que acontece. Normalmente os barris são empilhados em blocos em vez de fileiras. Aqui tratamos de centenas de barris, ou seja, muitas vezes, uma sala inteira é composta por apenas uma criadera. Algumas das maiores soleras costumam estar distribuídas em diferentes edifícios. Além do tamanho, existem duas razões técnicas para esse tipo de disposição: a estabilidade pode ser um problema quando mais de três ou quatro barris são colocados em cima uns dos outros e é melhor colocar barris de Fino e Manzanilla perto do chão, onde é mais frio, e tipos oxidativos de Jerez mais acima.

O número de camadas entre a solera e a última criadera varia muito e depende do estilo do vinho e das preferências do produtor. Em geral, soleras de Manzanilla e Fino terão mais criaderas do que as de Oloroso e outros Jerez envelhecidos de forma oxidativa. E, em geral, vinhos mais velhos terão menos criaderas. Uma solera de Fino típica costuma variar entre três e sete criaderas. Uma de Manzanilla pode facilmente ter oito ou nove, ou até vinte. Separamos alguns rótulos de vinhos avaliados pela ADEGA e utiliza esse sitema. Confira!

AD 93 pontos

FERNANDO DE CASTILLA JEREZ ANTIQUE AMONTILLADO

Fernando de Castilla, Jerez, Espanha (Porto a Porto R$ 270). Branco fortificado seco de reservas antigas elaboradas exclusivamente a partir de uvas Palomino, apresenta linda cor âmbar de reflexos alaranjados, bem como aromas de frutos secos, mesclados por notas salinas e minerais, além de complexos toques oxidativos, florais, de baunilha e de especiarias picantes. Complexo e cheio de frescor, impressiona pela harmonia e equilíbrio do conjunto, mostrando boa estrutura, ótima textura e vibrante acidez. Longo e profundo, com notas de avelãs e nozes, num estilo mais elegante, que alia potência e finesse. Álcool 19%. EM

AD 93 pontos

COSSART GORDON MALMSEY SINGLE HARVEST 1998

Cossart Gordon, Ilha da Madeira, Portugal (Decanter – não disponível). Branco fortificado doce produzido exclusivamente a partir de uvas Malvasia unicamente do ano 1998. Exemplo perfeito de equilíbrio entre acidez e doçura, já que possui 110 g/l de açúcar residual e não se percebe toda essa quantidade ao prová-lo. Estruturado e untuoso, possui ótimo volume de boca, gostosa textura e final longo, profundo e delicioso, com toques salinos e de frutos secos. Álcool 19%. EM

AD 89 pontos

HEREDAD DE HIDALGO JEREZ FINO

Hidalgo, Jerez, Espanha (Mistral US$ 36). Branco fortificado seco elaborado exclusivamente a partir de uvas Palomino Fino, com amadurecimento no sistema de solera. Apresenta aromas agradáveis de frutas brancas e de caroço acompanhadas de notas florais, minerais e de frutos secos, além de toques tostados e especiados. Seco e potente, mostra um estilo mais estruturado e de mais volume de boca, tudo envolto por acidez refrescante, gostosa textura e final untuoso e persistente, com toques salinos. Álcool 15%. EM

Arnaldo Grizzo, Revista Adega
Você pode gostar também de
Queijos com vinhos piemonteses, grande harmonização
Entre na região dos vinhos do Tejo
Como ficam os vinhos envelhecidos no mar? Mergulhamos no ‘terroir aquático’
Arqueólogos encontram duas tumbas e tesouro de mais de 3,5 mil anos na Grécia

Deixe o seu comentário