SIGA O JUSCELINO NAS REDES  
  
  
  
  
Home > Comida > 3 vinhos produzidos com o sistema solera

3 vinhos produzidos com o sistema solera

Embora uma solera seja geralmente representada como camadas de barris empilhadas umas sobre as outras, isso raramente é o que acontece. Normalmente os barris são empilhados em blocos em vez de fileiras. Aqui tratamos de centenas de barris, ou seja, muitas vezes, uma sala inteira é composta por apenas uma criadera. Algumas das maiores soleras costumam estar distribuídas em diferentes edifícios. Além do tamanho, existem duas razões técnicas para esse tipo de disposição: a estabilidade pode ser um problema quando mais de três ou quatro barris são colocados em cima uns dos outros e é melhor colocar barris de Fino e Manzanilla perto do chão, onde é mais frio, e tipos oxidativos de Jerez mais acima.

O número de camadas entre a solera e a última criadera varia muito e depende do estilo do vinho e das preferências do produtor. Em geral, soleras de Manzanilla e Fino terão mais criaderas do que as de Oloroso e outros Jerez envelhecidos de forma oxidativa. E, em geral, vinhos mais velhos terão menos criaderas. Uma solera de Fino típica costuma variar entre três e sete criaderas. Uma de Manzanilla pode facilmente ter oito ou nove, ou até vinte. Separamos alguns rótulos de vinhos avaliados pela ADEGA e utiliza esse sitema. Confira!

AD 93 pontos

FERNANDO DE CASTILLA JEREZ ANTIQUE AMONTILLADO

Fernando de Castilla, Jerez, Espanha (Porto a Porto R$ 270). Branco fortificado seco de reservas antigas elaboradas exclusivamente a partir de uvas Palomino, apresenta linda cor âmbar de reflexos alaranjados, bem como aromas de frutos secos, mesclados por notas salinas e minerais, além de complexos toques oxidativos, florais, de baunilha e de especiarias picantes. Complexo e cheio de frescor, impressiona pela harmonia e equilíbrio do conjunto, mostrando boa estrutura, ótima textura e vibrante acidez. Longo e profundo, com notas de avelãs e nozes, num estilo mais elegante, que alia potência e finesse. Álcool 19%. EM

AD 93 pontos

COSSART GORDON MALMSEY SINGLE HARVEST 1998

Cossart Gordon, Ilha da Madeira, Portugal (Decanter – não disponível). Branco fortificado doce produzido exclusivamente a partir de uvas Malvasia unicamente do ano 1998. Exemplo perfeito de equilíbrio entre acidez e doçura, já que possui 110 g/l de açúcar residual e não se percebe toda essa quantidade ao prová-lo. Estruturado e untuoso, possui ótimo volume de boca, gostosa textura e final longo, profundo e delicioso, com toques salinos e de frutos secos. Álcool 19%. EM

AD 89 pontos

HEREDAD DE HIDALGO JEREZ FINO

Hidalgo, Jerez, Espanha (Mistral US$ 36). Branco fortificado seco elaborado exclusivamente a partir de uvas Palomino Fino, com amadurecimento no sistema de solera. Apresenta aromas agradáveis de frutas brancas e de caroço acompanhadas de notas florais, minerais e de frutos secos, além de toques tostados e especiados. Seco e potente, mostra um estilo mais estruturado e de mais volume de boca, tudo envolto por acidez refrescante, gostosa textura e final untuoso e persistente, com toques salinos. Álcool 15%. EM

Arnaldo Grizzo, Revista Adega
Você pode gostar também de
Como ficam os vinhos envelhecidos no mar? Mergulhamos no ‘terroir aquático’
Arqueólogos encontram duas tumbas e tesouro de mais de 3,5 mil anos na Grécia
Rolling Stones voltarão à ativa em 2020
Museu do Ipiranga dá início às obras de restauro do edifício-monumento

Deixe o seu comentário