SIGA O JUSCELINO NAS REDES  
  
  
  
  
Home > Cultura > Mostra de Hélio Oiticica no MAM Rio explora sua paixão pela dança

Mostra de Hélio Oiticica no MAM Rio explora sua paixão pela dança

Um dos artistas mais inovadores do Brasil ganhou uma exposição no MAM Rio. “Hélio Oiticica: a dança na minha experiência” explora uma faceta diferente do grande mestre: sua paixão pela música, o ritmo e a dança.

Hpelio Oiticica e o samba

Ele sentia uma conexão muito grande com o samba, pois acreditava que essa expressão artística contribuía com um processo de desinibição intelectual. A partir do seu envolvimento com a Mangueira, em 1964, escola da qual se tornou passista, sua arte passou a incorporar elementos corporais, sensoriais, populares e vernaculares.

Com isso em mente, os curadores Adriano Pedrosa e Tomás Toledo, que trabalham no MASP – Museu de Arte de São Paulo, se propuseram a examinar toda a obra de Hélio Oiticica (1937-1980) em retrospecto, buscando elementos rítmicos, coreográficos, dançantes e performativos desde o início de sua carreira. O ponto de partida foi os “Parangolés” (1964-1979), expressão máxima dessa paixão pela dança e o movimento.

Parangolé, Helio Oiticica

Assim, foram criados três núcleos na mostra, representando as diferentes fases do artista. Um dedicado às investigações geométricas, outro às rítmicas e um terceiro às cromáticas.

O público tem acesso a seis séries bem diferentes do artista. Em “Metaesquemas”, estão as ilustrações em guache sobre papel cartão, que exploram formas e cores e se relacionam ao concretismo. Já em “Relevos espaciais”, é possível ver uma espécie de dobradura expandida com a materialização da cor.

Relevos espaciais, Hélio Oiticica

Mas não é só isso! Há também os “Núcleos”, esculturas de proporções maiores e interativas; os “Penetráveis”, instalações manipuláveis; as “Bólides”, em que Hélio Oiticica explora a cor, a solidez, o vazio, o peso e a transparência; e os famosos “Parangolés”, vestimentas fluidas feitas de tecido, plástico ou papel, para serem experimentadas e dançadas pelo espectador-participante.

A exposição “Hélio Oiticica: a dança na minha experiência” fica em cartaz no MAM Rio até 7 de março. É possível visitá-la de quinta e sexta, das 13h às 18h, e aos sábado e domingos, das 10h às 18h. Para isso, reserve o ingresso neste link aqui. O ingresso é vendido no esquema de “contribuição consciente” (e varia de R$0 a R$200).

Visite o museu com toda a segurança

Por conta da pandemia de Covid-19, o MAM Rio adotou uma série de protocolos para garantir a segurança dos visitantes e da equipe. Além do funcionamento em horário reduzido, a capacidade do museu ficou restrita a 200 visitantes/hora, com distanciamento mínimo de 1,5 metro.

O uso de máscara é obrigatório em todas as dependências da instituição e o público encontra totens e dispersers de álcool gel 70% em todos os espaços do museu. Não será permitida a entrada de pessoas que apresentem os seguintes sintomas: tosse, coriza, febre acima de 37,5⁰ ou falta de ar.

#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel e sair de casa somente se necessário – e nunca com sintomas de resfriado! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado? ❤

Por Catraca Livre

Você pode gostar também de
Grupo Corpo apresenta aula virtual de dança dedicada aos profissionais da saúde
Teatro e dança: espetáculos incríveis para curtir online na quarentena
‘Flying Colors’: Espetáculo de balé mistura circo, dança e teatro do alto do Farol Santander
Masp focará em dança em 2020

Deixe o seu comentário